Existe um peso ideal?

segunda-feira, 13 de maio de 2019 10:18:15 America/Sao_Paulo

A cultura de monitorar o nosso peso para saber se estamos perto ou longe de um corpo ideal sempre existiu. Mas a realidade é que só o peso da balança não reflete a nossa saúde, muito menos a composição do nosso corpo . Ou seja, o que é gordura, o que é músculo, o que é água. Pessoas que praticam exercícios físicos regularmente têm a massa muscular aumentada (e provavelmente massa de gordura baixa), enquanto os sedentários têm massa muscular reduzida. E o conteúdo de massa muscular e de gordura no nosso organismo influencia diretamente no nosso estado de saúde. E é por isso que o peso da balança não reflete a nossa saúde, pois na balança se só vê a soma de todas as partes juntas, sem  diferenciar o que é gordura, o que é músculo e o que é água.

É como acontece com uma pessoa sedentária que passa a praticar atividade física para perder peso. Com o início da prática, uma das adaptações que ocorre é o aumento de massa muscular, o que, consequentemente, vai aumentar o peso na balança. Talvez essa pessoa se pese dois meses depois que começou a se exercitar, veja que aumentou  de peso e ache que os exercícios não estão fazendo efeito. Conclusão essa, bastante equivocada, pois o que  pode ter ocorrido de fato é um aumento de massa muscular e não de gordura.

Outro exemplo é o que acontece também com quem quer emagrecer. Se essa pessoa acompanha seu emagrecimento apenas pelo peso de balança, ela pode, inadvertidamente, estar perdendo massa muscular e não gordura corporal durante o processo, o que não é adequado.

O emagrecimento saudável e duradouro é aquele em que perdemos massa gorda e aumentamos  massa muscular. Para chegar a este resultado, é preciso praticar atividades físicas, ter boas noites de sono e uma alimentação saudável e balanceada. Por esses motivos o uso do IMC (Índice de Massa Corporal) para avaliação de indivíduos não é o mais indicado, pois utiliza apenas o peso e a altura para classificar o estado nutricional.

O método mais confiável, usado atualmente, é o exame de bioimpedância, que faz uma análise profunda da composição corporal, apontando a quantidade, mais aproximada possível, de músculo, osso e gordura presentes no corpo. Com essas informações complexas e importantes, é possível alinhar os objetivos e fazer o  planejamento da dieta de forma personalizada.  O cálculo da taxa de consumo calórico diário ajuda um nutricionista a calcular o total de calorias da  dieta e estimar a evolução de perda de peso de acordo com as características de cada paciente.

 

 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: