Como prevenir picos de insulina

segunda-feira, 25 de maio de 2020 08:00:00 America/Sao_Paulo

Você já ouviu falar sobre picos de insulina e sua relação com a boa saúde?

A insulina é um hormônio que está diretamente ligado às oscilações de açúcar na corrente sanguínea.

É natural que após uma refeição haja um aumento na glicemia, contudo, havendo o consumo de carboidratos simples ou alimentos açucarados a quantidade de insulina necessária para trazer controle ao organismo vai aumentar muito.

É neste momento que o pico de insulina acontece.

Carboidrato simples não é açúcar, mas quando ingerido, se transforma nela e vai direto para corrente sanguínea.

Se além dos carbos, a ingestão de alimentos for de fontes direta do açúcar como refrigerantes ou doces, a glicemia subirá exponencialmente.

E da mesma forma que sobe rapidamente, vai descer também. E qual o problema nisso?

  • Diminuição do metabolismo, baixando a disposição;
  • O excesso de carboidrato que não vira energia, vai se transformar em gordura corporal;
  • Aumenta a possibilidade de desenvolver diabetes;
  • Cria um ambiente corporal propício para inflamações;
  • O apetite tende a aumentar, pois logo que a glicemia cai a tendência é voltar a sentir vontade de comer para um novo pico se estabelecer. Se torna um círculo vicioso e assim o peso vai aumentando;

Então, ficou claro porque é preciso prevenir os picos de insulina?

No próximo tópico vamos sugerir algumas ações que podem auxiliar.

Continue conosco até o final desta leitura.

Escolhas que controlam os picos de insulina

Como o aumento da glicemia está diretamente ligada aos alimentos que consumimos, a dieta tem especial influência.

Para reduzir ou até mesmo eliminar as incidências de picos de insulina, o consumo de alimentos de baixo índice glicêmico é essencial.

Seguem exemplos:

  • Aveia;
  • Batata doce;
  • Proteínas como frango, carnes, peixes;
  • Ovos;
  • Queijos;
  • Iogurtes sem açúcar;
  • Arroz integral;
  • Tapioca;
  • Azeite;
  • Folhagens em geral;
  • Vegetais;
  • Legumes;
  • Grãos como feijão e lentilha;

O que citamos acima são apenas exemplos, mas somente com eles, através de combinações, é possível elaborar receitas bem interessantes, saudáveis e saborosas.

E por que estes alimentos não contribuem para o pico de insulina?

Porque a digestibilidade deles acontece de maneira mais lenta, dessa forma, a glicemia sobe mais devagar e consequentemente a insulina é liberada de maneira mais lenta.

Sono e pico de insulina

Uma outra forma de fazer com que haja controle dos picos de insulina seria investindo em boas horas de sono.

Isso acontece porque quando dormimos, o relaxamento auxilia na redução do cortisol, um hormônio ligado ao estresse e a sensibilidade da insulina.

Noites mal dormidas ou pior, sono em quantidade reduzida tendem a fazer com que o organismo se desregule, e mesmo com a liberação de insulina o corpo se torna resistente a ela.

Dessa forma, o pâncreas precisa liberar cada vez mais insulina para conseguir organizar o açúcar que cai na corrente sanguínea e a longo prazo isso traz grandes prejuízos a saúde.

Quando o corpo tem uma sensibilidade melhor ao hormônio, com pouca insulina, todo trabalho já é realizado, então além da alimentação, dormir e descansar é muito importante.

Se você deseja emagrecer ou manter o peso sob controle, é de suma importância prestar atenção ao índice glicêmico dos alimentos que consome em sua dieta.

Comece substituindo versões comuns por integrais e inclua cada vez mais alimentos naturais, saladas, vegetais e algumas leguminosas.

Açucares de qualquer origem deve ser evitado, assim como refrigerantes, que mesmo em versões sem açúcar possuem substâncias que não agregam saúde para ninguém.

A medida que a insulina estiver sob controle em seu corpo, você poderá observar mais disposição, suas atividades físicas e rotineiras serão potencializadas e seu organismo estará menos suscetível à outros males.

Espero que tenha gostado deste artigo e se você deseja saber mais sobre outros assuntos relacionados nos siga também nas redes sociais.

Nós estamos no Facebook e no Instagram. 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: